História das seis Missões Populares

Em 1990, comemorando, com toda a Igreja, os 500 anos de evangelização no Brasil (1590-1990), lembramos o famoso apelo do João Paulo II para uma nova evangelização: “com um olhar de gratidão a Deus, pela vocação cristã e católica da América Latina e para com todos os que foram instrumentos vivos e ativos da evangelização. Um olhar de fidelidade ao passado de fé. Olhar voltado aos desafios do presente e aos esforços que se fazem. Olhar em direção ao futuro, para ver como consolidar a obra iniciada. Obra que deve ser uma evangelização nova: nova em seu ardor, nova em seus métodos e em suas expressões.”

À partir deste apelo, nossa Equipe de coordenação dos Círculos Bíblicos no Vicariato Oeste, lembrou as santas Missões Populares do passado e também uma feliz experiência de Missão Popular realizada numa Paróquia, em ocasião do Ano Santo de1983. Decidimos então propor aos Círculos Bíblicos, CEBs e Paróquias do Vicariato Oeste uma grande Missão Popular, com a força radiante da cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Entusiasmados com a primeira experiência da Missão Popular da Cruz (1990), programamos outras duas grandes Missões Populares: em 1992 e em 1994. Denominamos estas três primeiras Missões Populares como “Missões Populares da Nova Evangelização”.

Alguns anos depois, preparando a vinda do novo milênio, a Arquidiocese do Rio de Janeiro, propus uma grande Missão Popular, com o lema: “Um Coração novo para o Rio 2000. No ano 2005, a partir de um novo apelo da Igreja no Brasil (CNBB), foi proposta outra Missão Popular com o lema “Queremos ver Jesus”.

Cada uma das cinco Missões Populares, recebeu um nome diferente, conforme o seu querigma-símbolo:

  1. “MP da Cruz” (1990);
  2.  “MP da Bíblia” (1992);
  3.  “MP da Sagrada Família” (1994);
  4. “MP do Sagrado Coração de Jesus” (1997-98-99);
  5. “MP queremos ver Jesus” (2005).

Vou descrever brevemente estas cinco Missão Populares, testemunhando o que foi planejado e feito em nível de Vicariato e também a experiência da Paróquia São João Evangelista.

1. ANO 1990: MISSÃO POPULAR DA CRUZ.
O lema desta primeira e inesquecível Missão Popular foi: “Unidos por esta cruz venceremos!”. O sinal e querigma desta MP foi a Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo, a ser entronizada nas casas, nas escolas e em outros lugares.

Depois de apresentado o projeto da Missão Popular aos Párocos do Vicariato Oeste, discutido e aprovado, a Comissão vicarial da MP preparou o “Texto-base da MP”: com a fundamentação doutrinária, a espiritualidade, a metodologia e os subsídios necessários.

Houve concurso para a escolha do cartaz e das músicas da MP. Foi preparada a “Missa da Missão Popular” com as músicas vencedoras do Concurso: músicas muito bonitas , que até hoje são cantadas em nossas Paróquias. Houve treinamento dos Missionários, à nível de Vicariato e de Paróquia, e oficinas para fabricar as cruzes a serem entronizadas nos lares.

No dia 1o de maio de 1990, houve uma memorável “Missa de Envio”, com os missionários de todas as Paróquias do Vicariato Oeste, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, no bairro Santa Cruz. Convidado pela Equipe de coordenação da MP, esteve conosco Dom Helder Câmara, Arcebispo emérito do Recife. Foi ele quem presidiu a solene Missa campal, concelebrada com o Vigário episcopal, os Párocos e milhares de missionários leigos.

Após a homilia de Dom Helder, a cada Paróquia, foi entregue, simbolicamente, a “Cruz da Nova Evangelização”: uma grande cruz chanfrada, recordação histórica da cruz fincada na praia do “Novo Mundo”, na época do desembarque de Cristovão Colombo. Desde então, esta “cruz missionária”, denominada também “Cruz da Nova Evangelização”, réplica do cruz entregue por João Paulo II aos Bispos da América Latina, durante a comemoração do V centenário da Evangelização da AL, em Santo Domingos (12/10/84), acompanha todas as nossas Missões Populares.

Depois deste grande evento do dia 1° de maio,, com a Bíblia na mão e devidamente identificados com o distintivo do missionário e o crachá, os missionários leigos foram de casa em casa, evangelizando e falando de Nosso Senhor Jesus Cristo e de sua Cruz, símbolo-maior do amor de Deus e de nossa fé. Nos lares católicos que se demostraram interessados, foi feita uma segunda visita missionária com a celebração da entronização do crucifixo.

Mesmo que seja difícil avaliar os resultados de uma Missão Popular, posso garantir que esta primeira MP suscitou grande ardor missionário em nossas comunidades. Aí estão alguns dados, sinais impressionantes da graça de Deus: nesta primeira MP no Vicariato Oeste, na periferia do Rio de Janeiro, atuaram 2.877 missionários e 44.122 famílias receberam e entronizaram o crucifixo em seu lar; este foi colocado também 398 as salas de aula. A partir desta primeira MP nasceram 62 novos Círculos Bíblicos- sementes de CEBs. No próximo capítulo, explicarei, mais detalhadamente, a metodologia desta “Missão Popular da Cruz”, convencido que essa experiência continua válida e eficaz.

¹ Discurso de João Pulo II feito em Santo Domingos (República Dominicana) no dia 12 de outubro de 1984, comemorando o V centenário da “descoberta” da América Latina (12/10/1494).

2. ANO 1992: MISSÃO POPULAR DA BÍBLIA.

Passados dois anos da primeira MP, as Paróquias do Vicariato Oeste realizaram uma nova Missão Popular. Além do apelo missionário de Jesus (“Ide, evangelizai!”), nos motivava ainda o apelo de João Paulo II para uma nova evangelização. Outro estímulo para esta nova MP foi Plano de Pastoral de Conjunto de nossa Arquidiocese que dizia: “Devemos ser uma Igreja missionária que vai ao encontro do povo!” O lema escolhido para esta nova Missão Popular foi: “Unidos para uma nova evangelização”.

O querigma foi sobre o Livro da Palavra de Deus. As Paróquias fizeram promoções financeiras, para poder distribuir a Bíblia bem barata, ou, gratuitamente, sobretudo nos lares mais pobres.

Os Círculos Bíblicos e as CEBs, presentes nos bairros, favelas, ruas e conjuntos residenciais de nossas Paróquias, foram, novamente, a principal força motora desta Missão Popular.

A Comissão vicarial da MP preparou o texto-base: com a fundamentação, a metodologia e todos os subsídios necessários. Foram marcados “os passos”, de janeiro a outubro: 1º.“Escola da Missão” em nível de Vicariato; 2º. Treinamento dos missionários nas Paróquias; 3°. Momentos de oração pela MP durante o ano; 4º. Dia da Celebração do Envio dos missionários; 5º. Visita nos lares, em agosto e setembro; 6°. Concentrações populares com a “Celebração da Bíblia”, nas praças de todos os bairros: em outubro.

Esta MP conseguiu chegar também às escolas públicas e particulares, unindo professores católicos e de outras igrejas cristãs. Uma sub-comissão vicarial da MP, composta de professoras, elaborou um texto-base específico para esta MP da Bíblia nas escolas. Em muitas escolas foram dadas aulas sobre Bíblia, feitas exposições e concursos, entronização da Bíblia, coreografias, etc.

Neste ano de 1992, começaram as Missões Populares também nas Paróquias de outros dois Vicariatos da periferia do Rio de Janeiro: Vicariato Suburbano e Vicariato Leopoldina. Lá, foi realizada a “Missão Popular da Cruz”, a mesma que fora feita nas Paróquias do Vicariato Oeste dois anos antes.

No dia 12 de outubro de 1990, os missionários MP e os Padres das Paróquias dos três Vicariatos participaram de uma grande “Caminhada dos 500 anos”, em Bangu, na Praça Guilherme da Silveira.

Enfim, eis aqui alguns impressionantes dados numéricos sobre as Missões Populares realizadas nos três Vicariatos da periferia durante o ano 1992: atuaram 11.169 missionários e foram visitadas 229.305 famílias².

²Estes dados foram extraídos do livreto da Arquidiocese do Rio de Janeiro: “Missão Popular: uma experiência de Pastoral urbana”, de autoria de Mons Gilson-1995.

3. ANO 1994: MISSÃO POPULAR DA S. FAMÍLIA.

No ano de 1994, realizamos outra Missão Popular da Nova Evangelização, inspirados pelo Ano Internacional da Família, pela Campanha da Fraternidade do ano (“A Família como vai?”) e pela mesma convicção de João Paulo II: “Estou convencido que o futuro da Evangelização depende em grande parte, da família enquanto Igreja doméstica!” Para esta nova MP, uniram-se novamente os três Vicariatos de periferia: Oeste, Suburbano e Leopoldina. Foi criada uma comissão intervicarial (padres, freiras e leigos) para preparar o Texto-base, a fundamentação, a metodologia e os subsídios a serem usados. Cada Vicariato estabeleceu as etapas desta Missão Popular, conforme sua realidade.

O sinal e querigma desta MP foi a Sagrada Família e, por isso, esta MP foi denominada “Missão Popular da Sagrada Família”. O lema escolhido foi: “Jesus, Maria e José, abençoai nossa família”. Além do Texto-base, foram preparadas camisas, adesivos, músicas, etc. Uma das músicas desta MP, de autoria de um Pároco do Vicariato Oeste, Pe. José Geraldo, é um mantra ainda é muito cantado em nossas Paróquias: “A Sagrada Família eu peço, a Jesus a Maria e José que a minha família seja uma igreja no amor, na partilha e na fé” .

Os passos da Missão Popular 94 foram estes:
- Fevereiro: apresentação e explicação da Missão Popular aos Párocos e aos representantes paroquiais dos missionários, com entrega do texto-base e dos outros subsídios.
- Março: solene abertura da Missão Popular com todas as forças vivas das Paróquias do Vicariato Oeste, com Missa Campal, no bairro de Santa Cruz – 21/03
- Maio: “Escola da Missão”, em cada Paróquia, para preparar os missionários.
- Domingo de Pentecostes: Celebração do Envio dos missionários, em cada Paróquia – 22/05.
- Junho/julho/agosto/setembro: visitas domiciliares da imagem peregrina da Sagrada Família. No dia 30 de cada mês, encontro das famílias visitadas, para a bênção da família.
- Dia de Nossa Senhora Aparecida: culminância da MP, com Celebração de Ação de Graças, em praça pública, reunindo todos os missionários dos três Vicariatos e as famílias visitadas.

A metodologia da MP 94, foi um pouco diferente das outras MP:
- No primeiro mês (junho), os missionários, dois a dois, levaram um grande quadro, denominado “imagem peregrina da Sagrada Família”, nos lares de 30 famílias de localidade, previamente inscritas na MP e cujos nomes e endereço foram colocados atrás do quadro.

- Nos meses de julho, agosto e setembro, foram as próprias famílias visitadas que se tornaram “missionárias da Sagrada Família”, cada uma levando a Imagem peregrina da Sagrada Família ao seu vizinho, conforme a mesma lista de famílias escrita atrás do quadro.

- No dia 30 de cada mês, os missionários reuniam o grupo das 30 famílias da mesma localidade, para um momento comunitário de celebração e de bênção, conforme os subsídios apresentados no Texto-base: “Bênção dos jovens”, em junho; “Bênção dos avos”, em julho; “Bênção dos pais”, em agosto; “Bênção das crianças”, em setembro como coroamento e lembrança da MP, as famílias que acolheram a imagem peregrina da MP, receberam um pequeno quadro da Sagrada Família, para colocar em seu lar e um bonito livreto com o título “Orações do cristão” .

No dia 12 de outubro de 1994, dia de Nossa Senhora Aparecida, houve uma grandiosa culminância da MP 94, com solene Missa de Ação de Graça, realizada na Praça Guilherme da Silveira, em Bangu. Estavam presentes os missionários dos três Vicariatos, muitas das famílias visitadas, o Sr.Cardeal Dom Eugênio de Araújo Salles e 80 Padres concelebrantes. No final da Missa, atores profissionais realizaram uma bonita e emocionante encenação sobre “Nossa Senhora Aparecida e a Família”.

Para ter-se uma idéia do trabalho missionário, eis aqui alguns números relativos à MP 94 realizada nas Paróquias do Vicariato Oeste: atuaram 4.990 missionários e 50.880 famílias receberam o quadro da Sagrada Família em seu lar. Unindo os três Vicariatos de periferia, os números totais foram estes: 14.078 missionários e 156.749 famílias participantes³.

³Dados extraídos do livreto “Missão Popular: uma experiência de Pastoral urbana”: Mons Gilson-1995.

4. Anos 1997-2000: MISSÃO POPULAR DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS.

Esta Missão Popular foi realizada durante os três anos de preparação ao Novo milênio, sob inspiração da Encíclica “O Terceiro milênio” do Papa João Paulo¹ e do “Projeto de Evangelização rumo ao novo milênio” lançado pela CNBB² .

Desta vez, foi a Arquidiocese do Rio de Janeiro que assumiu esta MP, com o incentivo do nosso Arcebispo Cardeal dom Eugênio de Araujo Salles, que com grande zelo pastoral, muito se empenhou para que esta MP fosse realizada em todas as Paróquias do Rio de Janeiro. O Sagrado Coração de Jesus foi o querigma- símbolo e espiritualidade desta nova Missão Popular. O lema foi: “Um Coração Novo para o Rio 2000”. Assim, esta Missão Popular rumo ao Novo Milênio foi denominada “Missão Popular do Sagrado Coração de Jesus”, ou também “Missão Popular Coração Novo”.

A proposta, o lema, a oração da MP, o quadro do Sagrado Coração de Jesus e alguns outros subsídios foram comuns para todas as Paróquias da Arquidiocese. A metodologia e a execução da MP ficaram a cargo de cada Vicariato, devido às diferentes realidades e experiências pastorais e, também da diferente compreensão do que é Missão Popular.

O Vicariato Oeste preparou seu Texto-base, com o querigma para visitação aos lares e todos os subsídios para cada ano do triênio da Missão Popular. Em cada ano, houve quatro momentos de evangelização:
1. A primeira visita missionária em todos os lares (setembro-outubro);
2. O Rosário missionário na praça (outubro);
3. A segunda visita missionária com Celebração nas famílias católicas (novembro-início dezembro);
4. A Novena de Natal em Família. No final dos três anos, foi realizada a Consagração das famílias ao Sagrado Coração de Jesus, com a entronização de seu quadro em cada lar.

As Paróquias do Vicariato Oeste se comprometeram a acompanhar a Evangelização nos lares com três ações concretas de testemunho e serviço: a) Aumentar os Círculos Bíblicos, em todas as localidades da Paróquia. b) Aumentar o número de pequenas capelas-sede de comunidade, ou adquirir terrenos para isso. c) Aumentar o número de obras e pastorais sociais.

Durante o ano 1999, incentivados pela Campanha da Fraternidade de 1997 (“Cristo liberta de todas as prisões”), tentamos realizar a Missão Popular “Coração Novo” também nos 11 presídios do enorme complexo penitenciário existente aqui na periferia. Evidentemente, usamos uma metodologia diferente.

Os missionários do Sagrado Coração de Jesus nos presídios foram os próprios agentes da Pastoral carcerária e também alguns presidiários. Foi impresso e distribuído nos presídios um bonito livreto com orações e reflexões, com o título “Jesus Cristo liberta de todas as prisões”.

No início do ano de 1997, sob a iniciativa de Padre José Mazine, então Vigário Episcopal do Vicariato Oeste, foi criado o “Secretariado da Missão Popular”: com sala própria (“Sala bem-aventurado Anchieta”), com computador, impressora e todos os subsídios para a MP: o Texto-base (um para cada ano), um livreto sobre o Sagrado Coração de Jesus, com a fundamentação bíblico, teológico e pastoral desta espiritualidade, posteriormente impresso pelas Edições Paulinas, estandartes, adesivos para as portas e diversos tipos de folhetos impressos para as visitas missionárias.

Por meio do trabalho dos missionários e dos relatórios das Paróquias, o Secretariado da Missão Popular (tendo à frente o secretário executivo da MP, Sr. Carneiro) conseguiu fazer também o levantamento da situação religiosa em nossa periferia: número de católicos, evangélicos, de outras religiões, ou sem religião.

Devido ao longo período de tempo em que se estendeu a Missão Popular rumo ao Novo Milênio e a outros problemas, diversas Paróquias tiveram dificuldades em completar a MP, assim como fora proposta. Apesar disso, eis alguns maravilhosos frutos do primeiro ano desta Missão Popular (1988) no Vicariato Oeste: 7.011 missionários leigos; 232 Cursos de treinamento missionário; 108.751 famílias visitadas; 54.770 famílias acolheram em seu lar a celebração “O dom do Espírito Santo e o compromisso da família evangelizadora”; 1.537 “Terço na praça”; 2.336 grupos de Novena de Natal em Família. Quanto às três ações concretas de solidariedade e serviço com que as Paróquias procuraram acompanhar a evangelização nos lares, foram fundados 232 novos Círculos Bíblicos; foi dado início a 74 pequenas capelas e adquiridos 56 terrenos com esta finalidade; foram iniciadas 79 obras sociais!

Na Paróquia São João Evangelista, onde pela graça de Deus sou Pároco, durante o triênio atuaram uns 450 missionários que visitaram mais de 10.000 lares, foram criados 7 novos Círculos Bíblicos, construídas 9 pequenas capelas-sede de CEBs e iniciadas 3 novas pastorais sociais. No final, duas 2.500 famílias se consagraram ao Sagrado Coração de Jesus, entronizando o quadro com sua imagem. Também as 50 Comunidades Eclesial de Base da Paróquia fizeram sua Consagração ao Sagrado Coração de Jesus, com bonitas celebrações. Como culminância, fizemos a Consagração da Paróquia toda: no dia de Cristo Rei, com solene Missa campal, em frente à Matriz: uma grande festa em ação de graças pela missão cumprida, com muita música e cantoria, com descerramento da placa de bronze na parede da Matriz, com confraternização e partilha, etc.

¹João Paulo II – Encíclica “Tertio Millenium Adveniente” -TMA

²Entre as muitos subsídios para este Projeto, a CNBB elaborou um livreto com o título “Santas Missões Populares: um jeito novo de evangelizar hoje” (1988).

5. Ano 2005: MISSÃO POPULAR “QUEREMOS VER JESUS”.

Para os anos 2004-2005, a CNBB lançou um novo Projeto de Evangelização com o lema ”Queremos ver Jesus, Caminho, Verdade e Vida!” Em consonância com este Projeto, nossa Arquidiocese do Rio de Janeiro propôs às Paróquias uma nova Missão Popular.

Mais uma vez, dissemos sim ao chamado, mais uma vez lembrando o exemplo e as palavras do Apóstolo Paulo: “Anunciar o Evangelho não é um título de glória para mim; pelo contrário, é uma necessidade que me foi imposta! Ai de mim se não evangelizar!” (1 Cor 9,16) e aquelas inesquecíveis palavras do saudoso e grande missionário João Paulo II: “A Missão é questão de fé, a medida exata de nossa fé em Cristo e de seu amor por nós!”

O lema-querigma da MP 2005 foi retirado do próprio Projeto de Evangelização lançado pela CNBB: “Queremos ver Jesus: caminho, verdade e vida!”. A frase “queremos ver Jesus” (Jo 12,21), exprime o desejo que alguns gregos manifestaram aos Apóstolos Filipe e Andre. Os dois apóstolos foram logo falar com Jesus. E Jesus os atendeu. Como André e Filipe, os missionários da MP devem dar condições a outras pessoas, que ainda não conhecem Jesus, de fazer a maravilhosa experiência do encontro pessoal com Jesus e descobrir que Ele é “o Caminho, a Verdade e a Vida!” (Jo 14,6).

Também desta vez, a realização concreta e a metodologia da Missão Popular ficaram a cargo dos Vicariatos. A Comissão da MP no Vicariato Oeste preparou o Texto-base com o querigma, a programação detalhada (nove “passos” de abril a outubro 2005) e com todos os subsídios necessários: para a Escola paroquial da Missão, a Celebração de envio, a primeira visita missionária nos lares e a Celebração a ser realizada nas famílias católicas. Também nesta MP pudemos contar, sobretudo, com a estrutura capilar dos Círculos Bíblicos.

Estes foram os nove passos da MP 2005:
1º. Propaganda, formação das Equipes paroquiais, elaboração Texto-Base e subsídios: março
2º. Escola vicarial da MP para representantes das Paróquias, em condição de repassar os temas e a metodologia da MP aos outros missionários: 25 de maio
3º. Lançamento arquidiocesano da Missão Popular: na Festa de Corpus Christi: 26 de maio.
4º. Escola da Missão Popular em cada Paróquia, para preparar os missionários da MP: em junho. 5º. Celebração do Envio em cada Paróquia: no dia de São Pedro e São Paulo
6º. Primeira visita missionária: em todos os lares, em julho e agosto.
7º. Segunda visita e Celebração: nos lares que aceitaram a MP, em setembro e outubro.
8º. Solene Rosário missionário na Praça: no final de outubro.
9º. Ação de graças pela Missão cumprida: no domingo de Cristo Rei – 21 de novembro.

O anúncio evangelizador (querigma) na primeira visita foi a partir da frase: “Queremos ver Jesus, Caminho, Verdade e Vida! “ (Jo 14,1 e 6).

Com as famílias que aceitaram a visita, foi marcado dia e hora de uma segunda visita e foi deixado, na porta de entrada, um adesivo, como sinal de aceitação da MP e de fé (cf abaixo). Na segunda visita nos lares que aceitaram a MP, os Missionários fizeram a Celebração “Fica conosco, Senhor”, a partir do texto de Lucas 24,13-35. Como lembrança desta MP, foi dado a cada família, um livreto com o título: “Livro de orações”.

As comunidades acompanharam e ajudaram a MP com esta bonita “Oração da Missão Popular”, rezada nas Missas dominicais, nos Círculos Bíblicos e em outras ocasiões:

“Pai do céu, / obrigado por ter-nos chamado para uma nova Missão Popular/ que tem o lema “Queremos ver Jesus, Caminho, Verdade e Vida”! // Nós também “queremos ver Jesus” :/ na oração e na contemplação,/ na leitura amorosa da Sagrada Escritura/ no mistério da Eucaristia/ e no irmão que sofre ao nosso lado! // Pai do céu, suscitai em nossas comunidades/ muitos e ardorosos missionários para a Missão popular: / a exemplo do Apóstolo Paulo/ e dos santos missionários de todos os tempos! // Pai do céu, que o vosso Espírito Santo/ pela intercessão de Maria, Estrela da Evangelização,/ ajude os missionários da Missão Popular/ a visitarem todos os nossos lares/ e a serem instrumento de vossa graça, para que outros possam fazer a experiência viva/ de nosso Bem-amado Senhor Jesus Cristo,/ Caminho, Verdade Vida! // Fica conosco, Senhor! / Amém!/

Enfim, eis alguns números desta Missão Popular na Paróquia São João Evangelista: Número de missionários 2387; Número de famílias visitadas: 6.171; Número de lares onde foi possível fazer a primeira evangelização: 5.394; Numero de famílias que aceitaram a MP (colocaram o adesivo em sua porta e foi feita a Celebração e receberam o livreto “Queremos ver Jesus!”: 2.586.

Alguns dados da Censo Sócio- religioso. N° total de famílias que moram em nossa Paróquia. 6.179; nº total de pessoas:23.086; nº de famílias que se declararam católica: 3.894; nº de famílias que se declararam evangélicas: 1.889; etc.

Adesivo colocado nas portas dos lares que a aceitaram a Missão Popular 2005.

6. ANO 2009: MISSÃO POPULAR DA LUZ.

Em 2007, em Aparecida, foi realizada a V Conferência do Episcopado da América Latina e Caribe, também com a presença de Papa Bento XVI. No Documento de Aparecida, além de confirmar as linhas mestras que orientaram nossa Igreja deste a Conferência de Medellin (México-1978), os Bispos fizeram um ardoroso apelo para sermos uma Igreja missionária: “Esta V Conferência deseja despertar a Igreja para um grande impulso missionário. Não podemos deixar de aproveitar esta hora de graça. Necessitamos de um novo Pentecostes!

Necessitamos sair ao encontro das pessoas, das famílias, das comunidades e dos povos, para lhes comunicar e compartilhar o dom do encontro com Cristo… Não podemos ficar tranqüilos em espera passiva em nossos templos… Para nos converter em uma Igreja cheia de ímpeto e audácia evangelizadora, temos que ser de novo evangelizados e fieis discípulos… É o próprio Papa Bento XVI quem nos convida a ‘uma missão evangelizadora que convoque todas as forças vivas deste imenso rebanho… Neste esforço evangelizador, a comunidade eclesial deve destacar-se pelas iniciativas pastorais, ao enviar, sobretudo entre as casas de periferias urbanas e do interior, seus missionários, leigos e religiosos. Façamo-lo como João Batista, como Pedro e Paulo, como essa multidão de admiráveis evangelizadores que se sucederam ao longo da história da Igreja… Recuperemos o valor e a audácia apostólicos!” (DA n. 547-554).

De junho de 2008 a junho de 2009, em toda a Igreja celebrou-se o Ano Paulino. Foi mais uma graça pela nossa Paróquia que, fundada em 01/01/1969, em 2009 celebrou também seus 40 anos de caminhada.

O convite missionário de Aparecida, o Ano Paulino e o aniversário de nossa Paróquia foram as três grandes motivações que em 2009 nos levaram a organizar e a realizar uma nova e grande Missão Popular!